8 de jul de 2011

Novo livro diz que animais também se rebelam


Uma tigresa da Sibéria no zoológico de São Francisco pula uma parece de três metros e fere três visitantes que a estavam tormentando, matando um deles. Um circo de elefante pisa e desfigura um treinador sádico, que havia a queimado com cigarros acesos. Um par de orangutangos no zoológico de San Diego rouba uma barra de ferro e chave de fenda e fogem de seu cercado. Uma orca do Sea World traz sua treinadora a força para a piscina e a mata afogada. 


O que acontece nesses casos? Seriam eles simplesmente acidentes e animais agindo por instinto? São com essas ilustrações e essa pergunta que Jason Hribal inicia a discussão sobre o que ele chama de ‘resistência animal’ em seu livro Fear of the Animal: The Hidden History of Animal Resistance. Ele argumenta que o que aconteceu nesses casos foi ação independente de animais frustrados que cansaram dos humanos supremacistas encarregados deles. Se algum dia houve dúvida sobre os animais terem uma consciência, memórias, desejos ou mesmo uma alma, essas ações poderiam ser um grande sim para todas essas perguntas, Hribal diz. 

Um outro caso: no dia 18 de setembro de 2007, uma vaca chamada Maxine, marcada para o abate, fugiu de um matadouro em Nova Iorque. Ela foi encontrada em uma rua do bairro Queens e resgatada para um santuário para passar o resto de sua vida. Sua estória encantou vegetarianos e carnistas na mesma proporção. 

A consciência é definida como um sentido de uma identidade pessoal ou coletiva, incluindo atitudes, crenças e sensibilidades. A diferença entre humanos e animais é naquilo que focamos e como percebemos o mundo. Ambos temos a habilidade de expressar e receber emoções tais como amor e raiva, e ambos temos um desejo de viver.


Elefante se rebela na Índia


A reação de uma pessoa em relação a um animal tende a mudar quando ela percebe que ele ou ela age por si próprio ao se separar do resto do seu grupo, sinalizando que realmente há um espírito que deseja experimentar sua própria liberdade e viver em um planeta que é seu por direito. Os animais são, a seu jeito, tão intelectuais e emocionais quanto qualquer humano. 
  
Adaptado do original publicado em Natural News. 
  
PS – Em 2009 eu escrevi um blog sobre um tema parecido baseado em uma matéria publicada pelo Daily Telegraph. A matéria relatava que cientistas haviam notado surtos de fúria de animais em várias partes do mundo cujo estresse indicava com clareza que eles estavam cansados da opressão humana.
Postar um comentário