22 de dez de 2015

Gerente de fazenda vai para a cadeia por crueldade contra vacas, na Nova Zelândia

O gerente de uma fazenda de laticínios na Nova Zelândia recebeu a maior pena por crueldade animal na história do país. Ele vai passar quatro anos e meio na cadeia e está proibido de ter animais por 10 anos. As vacas apanhavam, tinham seus rabos quebrados e levavam tiros no joelho, entre outras formas de sadismo.

Michael James Whitelock (foto) confessou 12 acusações, inclusive mau tratamento de animais, posse ilegal de armas de fogo e tentativa de subverter a justiça.

Acredita-se que essa seja a maior pena por crueldade contra animais já expedida naquele país. A segunda maior foi a pena de dois anos e um mês dada a uma fazendeiro de Waikato em 2013.

Dos 1.100 animais inspecionados, 152 vacas e 57 novilhas tinham rabos quebrados. O veterinário disse aos investigadores que ele nunca tinha visto tamanho número de animais com rabos quebrados como ele encontra na fazenda Totara Dairy Unit em Cape Foulwind.

Uma vaca que deveria ter sido eutanasiada foi levada ao offal pit (local onde animais mortos são jogados) onde Whitelock passou um revólver para um empregado e o mandou atirar na vaca nas pernas. Whitelock e três empregados deram um tiro cada nas pernas da vaca antes dela ser eutanasiada.

As autoridades que investigaram o caso disseram que em outro caso Whitelock bateu em um vaca com um baton de esgrima, o que resultou em um ferida séria no olho. Whitelock então tentou eutanasiar o animal, mas, não conseguindo, a colocou no offal pit enquanto ela ainda estava viva.

Os outros acusados foram sentenciados a detenção comunitária, serviços comunitários e desqualificação.

Fonte: Sidney Morning Herald


Postar um comentário