15 de jun de 2018

A triste saga do boi no mar

Um boi de um navio levando vidas preciosas para serem destruídas na Turquia pulou ao mar, nadou 7km em águas geladas e foi resgatado de manhã. Mas ao invés de ganhar a liberdade, foi para exames para ser embarcado de novo. A humanidade realmente não deu certo. (Ler mais+)





11 de jun de 2018

Porcos sofrem acidente e ainda são roubados


Eu volto a dizer: grande parte do povo brasileiro é amoral: as pessoas roubam e se gabam disso. Mais um caminhão transportando carga viva tomba e, como é de praxe no Brasil, moradores locais roubam a carga, sem se preocupar com o motorista (e ainda celebram sua 'esperteza'). Neste caso, eles roubam animais machucados, colocando-os em carros pequenos. A PF, como sempre, nada faz. E não se trata de pessoas morrendo de fome - são pessoas com carro, oportunistas que se entrassem na política roubariam a coisa pública. É horrorizante a falta de respeito e humanidade dessa população. (Ler mais +)

31 de mai de 2018

Nana Indigo: Animal Sente

Aprenda essa música e ensine para as crianças - melodia que gruda e traz sorriso; fala tudo sobre o abolicionismo animal de uma forma que as crianças podem entender. Pode comprar aqui.



<3 div="" style="text-align: center;">

28 de mai de 2018

Projeto Moradores de Ruas e Seus Cães

Apesar da perseguição da prefeitura de São Paulo, da falta de combustível e de todas as adversidades, esse projeto lindo realizou mais uma edição :)

22 de mai de 2018

Veganismo é o movimento de direitos dos animais não-humanos. E apenas deles

Donald Watson, pioneiro vegano
Depois de alguns debates no Facebook, me senti compelido a escrever esse post porque uma verdade tão simples, a de que o veganismo se dedica aos direitos dos animais como ele foi vislumbrado por Donald Watson em 1944, está sendo distorcida por alguns ativistas, que insistem em colocar o animal humano em uma luta que não é, por definição, focada nele. O especismo e a supremacia humana encontram maneiras insidiosas com máscaras de boa intenção para diluir e reclamar o foco dos animais não-humanos para os humanos.

O debate em que eu percebi que era necessário me manifestar foi um no qual uma pessoa no Facebook se dizia triste e indignada com o fato de alguns veganos, segundo sua percepção, não se importarem se seres humanos são mortos etc. Sua fala sugeria que veganos supostamente ‘reacionários’ não são veganos de verdade. Aqui obviamente temos um exemplo de debate de rede social, onde as pessoas se sentem a vontade para fazer generalizações sem se importar com exemplos concretos e nuance e, desta forma, impressões se espalham como fatos.

Apesar de provavelmente concordar com essa pessoa em questões de direitos humanos, eu tenho que discordar que o veganismo de qualquer pessoa é afetado por sua opinião sobre questões humanas. O ser humano é cheio de paradoxos. Quantos ativistas nas muitas áreas de direitos humanos comem carne e acham que animais não merecem consideração? Provavelmente a maioria. E no entanto, esses mesmos veganos, que se chocam tanto com o que outros veganos supostamente pensam sobre questões não-veganas, não parecem ficar tão indignados com o especismo de outros ativistas. Se todas as lutas são as mesmas, então todos os preconceitos deveriam também ser igualmente repugnantes.

Mas isso não acontece, ou pelo menos eu nunca encontrei um exemplo de crítica vinda de veganos-juízes direcionadas a outros grupos por serem reacionários em relação aos animais não humanos. E aqui eu postulo que essa indignação seletiva é fruto do especismo internalizado de muitos veganos. O especismo é uma lente de distorção moral que muitos veganos simplesmente não conseguem remover. Talvez sintam uma necessidade de justificar seu veganismo colocando o animal humano em um lugar de destaque - e acima - dos outros animais.

Durante a mesma conversa, uma outra pessoa disse: “Mas os seres humanos também são animais,” implicitamente sugerindo que, diante desse fato irrefutável, os seres humanos são objetos de interesse do veganismo em si. Todos sabemos que os seres humanos são animais, mas a maioria dos seres humanos, inclusive os que lutam por direitos humanos, não reconhecem esse fato e, na verdade, se sentem ofendidos se forem comparados com animais. Além disso, o fato de compartilharmos animalidade com os não-humanos não resolve em nada a sua situação; se assim o fosse, o veganismo não seria necessário. A questão não é que somos todos animais, mas sim que os animais não-humanos não são tratados como pessoas. O foco do veganismo não é a esfera biológica, mas sim a ética, a política e a cultural. Nessas arenas, um golfo enorme se abre entre os humanos e os não- humanos, golfo esse cavado e mantido pela nossa herança antropocêntrica e especista. Dizer que os seres humanos são também animais para os incluir no veganismo revela uma confusão disciplinar e ignorância da ontologia vegana, além também uma certa dose de desonestidade intelectual.

Mesmo os movimentos de direitos humanos reconhecem que suas lutas não podem ser universais. Quando o movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) surgiu, algumas pessoas criaram um contra-slogan dizendo que All Lives Matter (Todas as Vidas Importam). Essa reação foi prontamente refutada porque ela ignora as especificidades da experiência de ser negro. É uma forma de racismo velada porque na verdade nega o racismo e afirma que toda a humanidade passa pela mesma experiência de opressão, o que não é verdade. O mesmo absurdo seria esperar que o feminismo incluísse os homens em seu discurso, embora obviamente o homem se beneficia da igualdade de gêneros.

Toda essa discussão me faz concluir que muitas pessoas estão se ocupando mais do comportamento de outros veganos do que na libertação animal em si. Mais uma vez reitero: veganismo é sobre os direitos dos animais não-humanos e não sobre outros veganos. O veganismo é um movimento ético e não um movimento moralista. Não é uma religião ou culto que se ocupa de patrulhamento ideológico ou moral de seus membros. Diminuir o sofrimento animal causado pelo ser humano é uma tarefa gigantesca demais para perdermos tempo e desviarmos o foco.

Isaac Bashevis Singer
Eu pessoalmente me oponho a qualquer forma de discriminação e injustiça com os animais humanos ou não. Mas me propus a dar meu tempo à causa dos animais não-humanos porque a escala da opressão contra eles é maior do que qualquer outra forma de opressão. Todos os grupos humanos, inclusive minorias oprimidas, oprimem os animais não-humanos. Seus corpos são tratados de forma mais brutal do que produtos. São tratados como mercadorias e propriedade; são jogados em caminhões e navios para serem transportados. As fêmeas tem seus corpos invadidos para reproduzirem mais escravos. Os animais ainda livres tem seus habitats destruídos para serem ocupados pelos humanos e suas atividades. Bilhões são cortados vivos em matadouros. Como disse o grande escritor Isaac Bashevis Singer, o ser humano transformou o mundo em um grande campo de concentração para as outras espécies. Devemos reconhecer isso e concentrar no denominador comum que existe entre os veganos -  uma ânsia pela abolição animal -  e não em nossas diferenças. O ser humano é paradoxal e moralmente imperfeito. Julgar outros veganos não vai fazer nada pelos animais, apenas inflar o ego de quem o faz.