24 de jan. de 2020

Comissão da OAB cobra punição de PM descontrolado


Vocês já repararam como policial no Brasil adora atirar e mostrar sua macheza com revólver? Eu gostaria de saber qual o critério da PM para recrutar: seria boçalidade e desequilíbrio?

Um dos últimos casos de violência potencialmente fatal contra cães aconteceu na segunda dia 20, quando Rafael Constantino atirou em uma cadela chamada Lessie porque ela latiu para ele, que não estava trabalhando, enquanto ele ia para a padaria com seu filhote de cão.

O fato aconteceu em Jardim Turu, em São Luís do Maranhão.

Constantino disse que não tinha intenção de atirar. Quem será que puxou o gatilho então? E por  que ele tinha uma arma com ele?

Felizmente, a Comissão de Defesa dos Animais da OAB decidiu enviar uma ação para a Corregedoria de Polícia Militar do Maranhão pedindo que o soldado seja punido administrativamente. A medida tem como objetivo dar início ao fim da impunidade em casos de violência contra os animais.

“Nós vamos na qualidade de membro da Comissão de Defesa dos Animais da OAB acompanhar não só o inquérito, mas também a parte da Corregedoria de Polícia a fim de que haja a penalidade administrativa e criminal e com isso, a gente vai dar o primeiro sinal do fim da impunidade contra os animais, seja por agentes públicos o que é um agravante, ou particular como um todo”, disse Sebastião Uchôa, presidente da comissão, ao site G1.

Na verdade, uma pessoa como Constantino deveria ser afastada da polícia por justa causa. Ele não tem o equilíbrio emocional para cuidar da ordem pública. Sua versão dos fatos é mentirosa e sem remorso. Se uma pessoa atira em um cão inocente, que felizmente sobreviveu neste caso e está sendo cuidada com despesas pagas por Constantino, imagina o que ele não fará em situações realmente perigosas?




19 de jan. de 2020

Abrigo de Belo Horizonte precisa de ajuda

Um abrigo na região metropolitana de Belo Horizonte precisa de ajuda para reconstruir depois da destruição causada pela enchente.

A ONG Ministério Arca de Noé possui setenta animais, que ficaram submersos durante um alagamento no dia 14.

"Por sorte estávamos lá para evitar que se afogassem!" escreveu Paula Maia, diretora da ONG, no seu Instagram.

"Perdemos tudo o que tínhamos - ração, materiais, equipamentos, móveis, eletrodomésticos (todas as máquinas de lavar), caminhas para os animais, todos os produtos de limpeza, entre muitas outras coisas. O piso da ONG inteira ficou estufado após a enchente e precisamos trocá-lo," informa Maia.

Além disso,  o barranco atrás do gatil está com risco de desmoronamento e precisa ser reforço para evitar outra tragédia.

A ONG está fazendo uma vaquinha para angariar fundos. Para saber mais, acompanhe seu trabalho no Instagram da ONG e no pessoal de Paula Maia.







11 de jan. de 2020

Vitória para os animais em Maringá

A faculdade de odontologia da Universidade Estadual de Maringá, no Paraná, foi proibida de realizar testes com animais, e também de criar animais para esse fim. A sentença foi editada e publicada pelo juiz Fabiano Rodrigo de Souza, da 1ª Vara da Fazenda Pública de Maringá, e foi publicada quinta-feira (9).

A sentença é resultado de uma ação do Ministério Público do Paraná iniciada em 2011. Segundo relatos, a faculdade fazia experimentos dolorosos e sem sentido desde a década de 80.

"As pesquisas científicas em questão, além de não terem se mostrado adequadas, porque envolveram maus-tratos dos animais a elas submetidas", também não tiveram "comprovação que a aplicação de suas conclusões em humanos apresente os mesmos efeitos do que nos cães," disse o juiz na sentença.

A multa é de R$1.000 por dia em caso de descumprimento.




8 de jan. de 2020

O holocausto dos camelos na Austrália

Com a escassez de água, 10 mil camelos devem ser mortos na Austrália por franco-atiradores que em muitos casos não conseguirão matar os animais de vez, e eles morrerão lentamente, agonizantes.

Os camelos estão desesperados de sede e buscam água em toda a parte. É realmente um problema, mas é um problema do ser humano, e não deles.

Eles não escolheram ir para a Austrália. Foram levados para fazer o trabalho escravo durante a colonização violenta da Austrália, que dizimou os aborígenes e alterou a fauna local.

É assim que os humanos agradecem àqueles a quem eles tanto devem. Não serve mais? Mata.

Espero que esse holocausto seja impedido.


6 de jan. de 2020

Fogos na Amazônia e fogos na Austrália: a diferença


Para defender o miliciano travestido de presidente, vale tudo, até perguntar 'cadê Greta apagando os incêndios da Austrália'.

Abaixo segue um texto que está circulando no Facebook que explica porque esse mico você não precisa passar. Crédito do texto: Giancarlo Kind Schimidt

1) Incêndios na Amazônia e Pantanal são, 90% das vezes, criminosos, causados por madeireiros, fazendeiros, garimpeiros, caçadores, invasores e outros; incêndios na Austrália são causados, 90% das vezes, por causa do clima seco e condições geográficas locais;
2) Austrália atravessa esse problema de incêndios há décadas, possuem uma forte brigada de bombeiros e projetos de controle desses incêndios, com aval do governo; o governo no Brasil faz vista grossa e não pune, à altura, todos que destroem o meio ambiente e geram mortes por isso, não tem projetos de controle de incêndio, muito menos brigada suficiente para combate;
3) Os ventos que podem chegar a 120km/h somados a falta de chuva na Austrália espalham o fogo de forma rápida e descontrolada, impossibilitando também, devido a geografia local, combate rápido e eficiente das chamas; no Brasil os locais de queima tem alta densidade pluviométrica e não sofrem com os vendavais, provando que só as mãos humanas espalham as chamas;
4) Austrália tem um projeto de proteção e preservação ambiental (por exemplo, as áreas queimadas são reflorestadas); Brasil não tem projeto algum de proteção e preservação ambiental, porque não interessa para o governo floresta e sim pastos;
5) Greta enviou documentação com mais de 500 páginas à ONU criticando TODOS os países poluidores e sem projetos eficientes ambientais, mas destacou-se o Brasil na mídia porque o Bolsonaro, no período em que ela apareceu, havia virado as costas para os incêndios na Amazônia e Pantanal (agora o cara-de-pau diz estar preocupado com o que ocorre na Austrália e diz querer enviar bombeiros para o país, quando sequer cuida do próprio quintal, afirmando apenas uma jogada política e não preocupação ambiental). Lembro: Greta, Papa, outros ativistas não são órgãos, são pessoas, e pessoas apenas podem protestar e exigir dos órgãos, instituições ou políticos relacionados AÇÕES. O fato é que todos incomodam porque mexe no rico dinheirinho e reputação de milionários, megaempresários e políticos predatórios;
6) O que ocorre na Austrália é uma catástrofe natural sem precedentes; no Brasil essa catástrofe é provocada.
Então, crianças sem noção, parem de comparar uma coisa com outra e justificar, aceitem que o governo brasileiro não está nem aí para Amazônia que queima, quer mais a expansão dos agronegócios e setor pecuário, o governo não quer saber de árvores, quer saber de exportar grãos e carne para lucrar, só isso. Governo brasileiro quer fazer pasto para lucrar e mandar a gente pastar depois neles. Enquanto isso, na Austrália, 16 países estão procurando controlar as chamas que se espalham rapidamente com os ventos e secura. Deixa de ser ignorante e aprenda a diferenciar, cérebro de lesma.

3 de jan. de 2020

Direitos animais em 2020

Greta Thunberg. Fonte: Fridays for Future
O ano de 2020 não começa para bem para os animais. Na virada do ano, foi anunciado que meio bilhão de animais morreram nos fogos da Austrália, que continuam queimando e devastando.

No Brasil, os fogos criminosos da Amazônia devastaram áreas recordes, a faísca inicial acesa pela retórica anti-ambientalista e anti-indígena do atual presidente da república, um homem perigoso, desequilibrado e que não passa de um laranja dos interesses colonialistas de corporações internacionais.

Resumindo: além dos bilhões de animais que matamos em matadouros, agora bilhões de animais estão sendo mortos pelo aquecimento global causado pelo ser humano. 

Greta Thunberg, a pessoa mais importante de 2019

2019 foi ano também em que a juventude acordou para o fato que seu futuro é temeroso. Greta Thunberg, a jovem ativista sueca que entrou em greve pelo clima, arrastou multidões por onde passou, falou na ONU e virou Pessoa do Ano na Time. O carisma e a autenticidade de Greta amplificou uma mensagem muitos cientistas não haviam conseguido. Por que essa fala de Greta pertence à juventude.

Teve também o Extinction Rebellion, que parou Londres e inspirou células em muitos países. O tempo é de se rebelar, e se rebelar contra o capitalismo, que é o sistema econômico que está matando o mundo.

O nexo veganismo/ambientalismo nunca foi tão óbvio como agora. Greta é vegana porque ela é coerente. O veganismo é a dieta mais leve e sustentável e devemos usar esse argumento para defendê-lo. 

Ser vegano é ser a favor de um novo modelo civilizatório, mais justo, não-predador, mais preocupado com felicidade do que com posse, com ser do que ter, com estar presente do que esperar o futuro que não existe: cada dia que começa é um novo presente.

Minha projeção será que por um lado o veganismo vai crescer em termos de ofertas de produtos e serviços. Isso é inegável. Por outro lado, mais animais morrerão por causa da expansão de commodities e destruição de habitats.

Minha convicção de que o veganismo é a postura moral mais acertada para os nossos tempos. Sigamos!


29 de dez. de 2019

Confeitaria vegana em Brasília

Um tipo de negócio que agrada muito a veganos e não-veganos é uma boa confeitaria sem crueldade.
E agora Brasília vai ganhar uma dessas delícias que a filha da dona da Maria Amélia Bolos e Doces, Renata Dias, vai abrir na 411 Sul no final de janeiro.

A intenção de Renata é, simplesmente, veganizar receitas clássicas de modo que os veganos possam literalmente ter seu bolo e comê-lo também.

“Minha inspiração são os clássicos. Nós, veganos, sentimos falta de comer um bom croissant, um mil folhas, um bolo. Eu quero proporcionar isso para a galera que quer ser vegana e viver tão bem quanto qualquer outra pessoa”, Renata disse ao portal Metrópoles.

Então, pessoal de Brasília, fiquem atentos que no final de janeiro a cena vegana da cidade vai ficar mais doce.

27 de dez. de 2019

Morre Ramba, a elefanta 🐘

Dois meses depois de chegar ao Santuário dos Elefantes, após décadas de sofrimento e exploração, Ramba morreu em um paraíso cercada de amor.

Ela morreu de complicações renais.

Ramba tinha 56 anos e pesava seis toneladas. Seu problema de rim foi diagnosticado sete anos atrás, quando ela ainda vivia no Chile.

Essa foi a mensagem que a equipe do Santuário postou:

Ramba foi especial. Havia algo em sua presença que nos trazia de volta à razão e fazia com que nossos corações sorrissem, ao mesmo tempo.
Nos apaixonamos por ela, quando a conhecemos, há sete anos. Ela foi parte do motivo de seguirmos em frente com a ideia de um Santuário no Brasil. Não havia como deixá-la para trás ou esquecê-la depois de a ter conhecido. Parece que não somente os humanos se sentiram assim. Ramba teve um efeito de sustentação sobre Maia, Rana a adorava e até Lady parecia relaxar e confiar em sua presença.
Já sabíamos que cada dia de Ramba, no Santuário, seria uma dádiva, não apenas para ela, mas para todos que tiveram a oportunidade de conhecê-la. Todos foram, de alguma forma, tocados por ela.
Embora nosso desejo seja que todos os elefantes possam ter mais tempo no Santuário, somos muito agradecidos por Ramba ter, aqui, encontrado sua alegria.

RIP RAMBA - PELO FIM DA EXPLORAÇÃO ANIMAL EM CIRCOS E ZOOS. QUE TODOS OS ANIMAIS POSSAM VIVER UMA VIDA EM SEUS HABITATS E PODENDO EXPRESSAR SEUS INSTINTOS E SATISFAZER SUAS NECESSIDADES EMOCIONAIS E FÍSICAS, LIVRES! 
🐘🐘🐘