12 de mar de 2017

Veganismo e interseccionalidade: um ponto de vista

Existe uma teoria acadêmica que surgiu nos anos 80 chamada interseccionalidade. A expressão foi cunhada pela feminista afro-americana Kimberlé Crenshaw em referência às especificidades da situação das mulheres negras, para quem patriarquismo e racismo interseccionam e compõem uma situação mais opressiva do que a de mulheres brancas. O conceito aqui se aplica como uma luva e é claro: duas formas de opressão se encontram no corpo da mulher negra, se reforçando e potencializando.
A interseccionalidade é uma metáfora gráfica que pode ser muito útil nos casos onde ela realmente existe. O problema é que muitos conceitos acadêmicos se tornam populares e acabam sendo banalizados pela aplicação equivocada, um problema amplificado nas redes sociais. Esse é o caso da interseccionalidade no caso do veganismo, que eu vejo como uma confusão desnecessária para um movimento cujo objetivo é de um teor imensamente mais utópico dos que os movimentos de justiça para humanos.
Antes é preciso esclarecer: criticar o uso do conceito de interseccionalidade usado onde ele não se aplica não é criticar os movimentos sociais tipicamente apoiados por ‘interseccionalistas’, como feminismo, direitos gays, lésbicos e trans, direitos de ‘minorias’ étnicas e por aí vai. Eu sou vegano e apoio todas essas causas. Mas o fato de eu apoiar movimentos que trabalham para acabar com essas formas de opressão não quer dizer que elas magicamente intersectem como o especismo, a forma de opressão que o veganismo tenta erradicar. Essas formas de opressão correm paralelas uma à outra. O fato de eu ser simpático a uma causa e a apoiar com conteúdo em redes sociais não quer dizer que eu seja um ativista dessa causa. Quer dizer apenas que eu sou uma pessoa com sensibilidade e um senso de justiça.
Em geral os interseccionalistas veganos confundem a dificuldade de certos grupos sociais de terem acesso ao veganismo por razões econômicas e culturais com um motivo para adotarem a interseccionalidade. Esse é realmente um problema, mas é um problema do animal humano e não dos animais não-humanos, que são os beneficiários do veganismo. A dificuldade de ser vegano neste caso não tem nada a ver com especismo — ou quem sabe tenha e a dificuldade econômica/cultural é usada como desculpa?
A melhor forma de aproveitar a interseccionalidade em educação vegana é lembrar que nenhuma campanha pelos animais pode conter elementos de racismo, homofobia e sexismo — porque isso nos faz hipócritas e incoerentes. Da mesma forma, outros movimentos sociais são hipócritas e incoerentes quando eles acham que é racismo, sexismo e antissemitismo se compararmos, por exemplo, a exploração das vacas à das mulheres, ou usamos os termos “escravidão” e “holocausto” para designar a exploração animal. Essa tomada de ofensa é uma manifestação de especismo. O fato de uma pessoa pertencer a um ‘grupo oprimido’ não quer dizer que ela sempre tem razão.
Assim como a maioria dos ativistas de movimentos sociais não são veganos, e portanto, são incoerentes, os veganos também tem direito a essa falibilidade, que é natural do ser humano. Se um ativista vegano cometer um deslize sexista ou racista, ele deve ser criticado por isso. Mas isso faz o seu veganismo menos potente e sincero do que um vegano que se considera interseccionalmente correto? De forma alguma. Uma coisa não cancela a outra, porque, se assim fosse, todos os movimentos sociais não teriam alcançado nada porque todos são culpados disso.
Para concluir, eu reitero que minha crítica aqui não é a nenhum movimento social mas sim ao uso incorreto do conceito de interseccionalidade, que eu vejo como um diluidor do movimento vegano. Eu escolhi trabalhar pela abolição animal e não preciso justificar isso para o mundo com uma postura assumidamente interseccional para explicar para os especistas que eu ‘sou vegano mas gosto de gente também’. Não seria essa atitude uma forma de antropocentrismo internalizada?
Postar um comentário