6 de abr de 2013

A "inocente" face do terror


Texto de Servilio Branco (0AB/SP 119218)

“A JBS TEM como missão ser a melhor em tudo o que se propõe a fazer”, diz a página da “maior empresa em processamento de proteína animal do mundo”. No entanto, será o crime uma missão da JBS Friboi? Esse é o questionamento que se faz a essa empresa que recebeu R$ 10 bilhões de dinheiro público do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). São contundentes relatos de funcionários vitimados pela superexploração, o ritmo intenso de trabalho e as longas e extenuantes jornadas que multiplicam os acidentes de trabalho com lesões e mutilações.

Essa reportagem acerca da JBS-Friboi, cuja “nobre missão” é a de produzir proteína animal, ilustra a mentalidade desses empresários da morte.

Alvo de centenas de reportagens negativas em todas as mídias a JBS Friboi achou por bem contra-atacar e o fez em grande estilo. Usou a receita costumeira. Uma grande agência de publicidade, um ator global, até então com credibilidade, divulgação nas grandes redes de comunicação, e voila., está pronta a asséptica campanha publicitária.

O foco da propaganda é justamente vender a idéia de que nos frigoríficos da empresa, funcionários de vestes imaculadamente brancas e higienizadas, desempenham alegremente suas funções. de processar cadáveres..

O peludo Toni Ramos desempenha com propriedade seu papel de porta-voz da holding., cuja atiividade é assassinar de forma brutal criaturas inocentes.

O comercial começa com o locutor dizendo: “Carne Friboi. Sua melhor escolha”. Na sequência, Tony Ramos fala das qualidades da carne e encerra sua participação dizendo: “É a carne em que você e sua família podem confiar”. E complementa: “Peça Friboi, carne confiável tem nome”.

Nojo é palavra que define tudo. Nojo da JBS Friboi, nojo desse ator que se presta ao deprimente papel de colaborar com essa farsa; nojo das emissoras que veiculam esses comerciais; nojo dessa hipocrisia robótica que aceita a carne desde que o abate seja "humanitário", como se o valor maior não fosse e a vida e sim o modo como os animais são mortos.

Frigorífico é um estabelecimento que não pode ser mostrado por inteiro, sob o risco de desencadear uma catarse. Pouquissimos suportam in loco ou mesmo por imagens, a visão do abate cruento dessas vítimas inocentes.

O chamado abate humanitário é uma falácia. Nada mais é que uma solução legal e tecnológica que visa mais aplacar nossa consciência que propriamente diminuir o sofrimento desses animais em seus momentos derradeiros.

Essas pobres criaturas são despojadas de tudo que é inerente aos seres sencientes, Tiramos sua liberdade, suas crias e seu bem estar. E num derradeiro exercício de loucura, ceifamos suas vidas de modo brutal e impiedoso .

A parte mais horrenda dessa execrável atiividade jamais será exibida na televisão, salvo de modo esporádico e em formato de reportagens E ainda assim com pruridos, pois são imagens aterradoras demais para serem digeridas.

"Orgulhem-se" brasileiros, temos o maior rebanho bovino e o maior frigorífico do mundo, o que nos coloca no topo quando o tema é o extermínio sistemático de animais. E assim será enquanto ganância e indiferença forem maiores que o amor e a compaixão.
Postar um comentário