7 de jan de 2013

Robert Green Ingersoll, ateísta e pioneiro do bem-estar animal


Do New York Times de sábado:

“Robert Green Ingersoll, que morreu em 1899, e foi um dos oradores mais famos de sua geração, personificava a combinação de paixão e racionalidade. Chamado de “O Grande Agnóstico,” Ingersoll insistia que não havia diferença entre ateísmo e agnosticismo porque era impossível para qualquer pessoa “saber” se deus existia ou não. Ele usava seu púlpito secular para defender causas sociais como justiça para afro-americanos, direitos das mulheres, reforma de prisão e a eliminação de crueldade contra animais." (Ler artigo completo)

Postar um comentário