23 de out de 2012

Fazendas de bílis de urso: ainda não chegamos ao fim

Animals Asia, a organização de defesa animal que lidera a campanha pelo fim da exploração da bílis de urso em fazendas especializadas, desmentiu a notícia publicada pelo website Care2, e reproduzida aqui, sobre o fim das fazendas e a liberação dos ursos.

Realmente houve um pequeno progresso durante o encontro da International Union For Conservation of Nature (IUCN) que aconteceu em setembro e que discutiu a questão. A resolução atada durante o congresso apenas prevê recomendações. Ela pede que a Coréia e o Vietnã continuem com seus esforços para por fim a esta prática terrivelmente cruel e pediu que as regiões que permitem este tipo de negócio de exploração que trabalhe junto com a IUCN para fechar as fazendas ilegais, ou seja, aquelas que não operam de acordo com as regras da IUCN, além de não emitir alvarás para novas fazendas. Pediu também que não se aumente o número de ursos em tais fazendas, que nenhum animal seja capturado em seu habitat natural e que façam pesquisa com substitutos da bílis e estabelecer sistemas de monitoramente para tracear tendências nas populações de ursos livres.

Ou seja, por enquanto, os ursos sofrendo em fazendas, com cateteres enfiados em suas vesículas, continuarão vivendo desta forma miserável por causa da crueldade supersticiosa de alguns asiáticos. O que talvez possa levar a um fim deste tipo de fazenda é que, como os animais não se reproduzem bem em cativeiro por causa de tanto sofrimento, seus exploradores não tem como usar o argumento preservacionista, que é o que eles tentam fazer para vender uma imagem positiva.

A atitude da Care2 foi irresponsável. Espalhar falsas notícias simplesmente para deixar seus leitores mais felizes é prejudicial aos animais e aos seus próprios leitores, pois os mantém na ilusão que assinar petições do conforto de sua casa basta para resolver questões complexas como esta. Isso nos deixa uma lição. Que existem pessoas se aproveitando da boa vontade alheia e de sua ânsia genuína por um mundo melhor diante de tanta crueldade.

Visite: Animals Asia
Postar um comentário