24 de set de 2012

Por quê ser vegano se a natureza é predatória?

Esse é provavelmente um dos argumentos mais usados para atacar o veganismo: se bicho come bicho, porque nós não podemos fazer o mesmo?

One Green Planet tem um artigo que desconstrói bem este argumento. Vou resumir aqui seus principais pontos argumentativos:

• Em relação a laticínios, nós somos os únicos animais que consomem leite materno depois da fase de desmamamento, e que consome o leite de outras espécies.
• Em relação ao consumo de carne, vale notar que a maioria dos animais que vive em terra são na verdade herbívoros, com um número relativamente pequeno de carnívoros para os predar. Sendo assim, carnivorismo é a exceção e não a regra.
• A porcentagem de animais não-carnívoros que morrem sendo comidos vivos é relativamente pequena. A maioria vive seus ciclos naturais de vida, ao contrário de programas de TV que glorificam as cenas ‘matando para comer’ que são populares entre humanos carnistas.
• Os animais que são desenhados para comer a carne de outros animais são muito diferentes de nós fisiologicamente em termos de dentição, estrutura mandibular, estrutura e comprimento do intestino, paladar, enzimas digestivas e acidez gástrica. Nós somos o único animal com uma fisiologia decididamente não carnívora que consome carne animal, e não apenas em quantidades pequenas, mas no caso de culturais industrializadas ricas, vorazmente.
• Nosso apetite por carne, laticínios e ovos está destruíndo o habitat de outras espécies em uma velocidade não-sustentável. Nós estamos destruindo um alqueire de floresta amazônica a cada segundo. Nós estamos perdendo 200 mil espécies por ano.
• 10 mil anos atrás os humanos eram um por cento da biomassa (em peso físico) e os outros animais, que eram todos livres, já que não havia escravidão animal, tinham os outros 99 por cento. Agora, apenas 10 mil anos depois, nós ocupamos 98% da biomassa animal e os animais livres foram reduzidos a apenas 2%. Nós roubamos terra e habitat deles.

Eu acrescento ainda que independente de um passado romantizado por apologistas do carnismo, o fato é que hoje existem sete bilhões de pessoas no mundo e nós conhecemos o suficiente sobre nutrição para extrair nossa nutrição apenas de plantas.

Além disso, os animais carnívoros não têm outra opção e os humanos, salvo algumas exceções de pessoas vivendo em regiões remotas e extremas do planeta, temos.

O que nos faz humanos e civilizados é exatamente a capacidade de fazer julgamentos morais e mostrar compaixão.

Por trás da narrativa pró-carnista, existe ideologia e não ciência.
Postar um comentário