24 de nov de 2011

Perus americanos têm bactérias resistentes a antibióticos

Esta semana os americanos se preparam para comemorar o Dia de Ação de Graças, um feriado importante no calendário daquele país. Tradicionalmente come-se carne de peru nesta data, o que leva ao massacre de milhões de aves que são criadas em condições atrozes em fazendas fábricas, onde além de viverem confinadas ao extremo, são inseminadas artificialmente (o equivalente a abuso sexual no caso humano) e bombeadas com antibióticos. 

E exatamente por causa dessas práticas cruéis que um novo estudo descobriu que bactérias resistentes a antibióticos, como a temida MRSA (Methicillin-resistant Staphylococcus aureus), está aparecendo em carne de animais de fazendas fábricas, inclusive em carne de peru. 

Um estudo encontrou 27 mostras contaminadas de estafilococo entre 165 mostras de carne de boi galinha, porco e peru. Apenas dois casos, ambos carne de porco, eram MRSA, mas o estafilococo não-MRSA, que incluía sete mostras de peru contaminadas, era resistente ao antibiótico tetraciclina. 

Um segundo estudo testou 694 mostras de carne moída, porco e peru. Esse encontrou MRSA em 17% da carne de porco e 17% das amostras de peru, além de outros tipos de bactérias resistentes a antibióticos em números ainda maiores. 

O governo fecha os olhos para o problema para não desagradar o poderoso lobby ruralista. Enquanto isso a população dá graças por matar animais e se contaminar com bactérias potencialmente letais.  

Com informação do Grist.

Postar um comentário