4 de mai de 2011

Direitos animais são também uma questão de semântica

Quem acompanha a ANDA regularmente já deve ter notado que aqui as pessoas que cuidam de um animal em casa são chamadas de tutores. Aqui no Lobo Repórter, eu uso o termo ‘guardião’ e sempre me refiro aos animais ditos selvagens como ‘animais livres’. 

 Melhorar a maneira como nos referimos aos não-humanos faz parte da mudança de paradigma que busca desconstruir o especismo no dia a dia para que um dia possamos viver em um planeta onde os animais que não pertencem a nossa espécie recebam o respeito que merecem. 

 Um novo jornal acadêmico chamado The Journal of Animal Ethics, que ganhou uma matéria de destaque no jornal inglês Daily mail, trata exatamente deste assunto. Segundo a publicação, o jornal acadêmico sugere que revisemos nosso vocabulário em relação aos animais. Muitas das sugestões são específicas da língua inglesa, mas o conceito em geral se aplica a qualquer língua. 

 Uma delas trata dos animais que convivem conosco em casa. Em inglês eles são chamados de ‘pets’, uma palavra que já se tornou bastante comum no Brasil também. O jornal sugere que esse termo seja substituído por ‘animais de companhia’, que realmente é melhor que ‘bicho de estimação’, o termo mais comum no Brasil. O jornal enfatiza bastante a questão dos animais selvagens, aqui no Brasil muitas vezes chamados de animais silvestres. Segundo o editor, o termo selvagem possui uma denotação pejorativa. Alude ao barbarismo, ao não civilizado, ou seja, representa os animais como seres violentos. Animais livres seria a forma mais sucinta e apropriada de se referir aos animais que ainda tem a sorte de viver no habitat que lhe é de direito. 

 Existem muitas situações no cotidiano em que nos deparamos com fraseologias especistas tão inculcadas em nosso vocabulário que elas passam quase desapercebidas. Outro dia durante uma conversa surgiu a expressão “m**** dois coelhos com uma cajadada só”.  Alarmado com a violência da expressão, que há muito tempo eu não escutava, eu parei para pensar como essa expressão poderia ser consertada. Por fim a transformei em “salvar dois coelhos com um resgate só”. E por aí vai. 

 Não existe uma regra fixa, mas é importante que a medida que nos deparemos com essas expressões que as repensemos e criemos um vocabulário livre de especismo. A linguagem molda nossa percepção do mundo, portanto ela é uma ferramenta crucial para os direitos dos animais. 

 E você, tem alguma expressão que usa para substituir uma outra de cunho especista?
Postar um comentário